Bolsonaro é acusado de caixa 2 por compra de pacotes ilegais de envio de mensagem contra o PT no whatsapp

bozo-1-1-780x440.png

A Folha de São Paulo denunciou nesta quinta-feira (18/10) um suposto esquema de caixa 2 na campanha de Jair Bolsonaro (PSL). Empresários compraram irregularmente pacotes massivos de envio de mensagens fakenews contrárias ao PT pelo WhatsApp.

De acordo com a apuração do jornal, os contratos chegam a 12 milhões de reais e, entre os compradores, está Luciano Hang, dono da Havan. Ele apoia publicamente Jair Bolsonaro (PSL) e já foi obrigado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a retirar de seu Facebook um vídeo favorável ao capitão reformado que tinha sido pago para alcançar mais pessoas.

Segundo a matéria da Folha as empresas “apoiando o candidato Jair Bolsonaro” compram de companhias especializadas um serviço chamado “disparo em massa” de mensagens no WhatsApp. Para isso, usam a base do próprio candidato ou partido ou uma base das próprias empresas que prestam o serviço, o que é ilegal porque a legislação eleitoral também não permite a compra de base de dados de terceiros. Essas bases de nomes compradas oferecem segmentação por região geográfica e, às vezes, por renda, explica o jornal.

O PT entrou com um pedido para que a Polícia Federal investigue a suspeita de práticas ilícitas no uso de redes sociais por parte da campanha do candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, incluindo denúncia de que empresas estariam pagando pelo envio de mensagens em defesa do candidato.

Bolsonaro respondeu afirmando: “”Eu não tenho controle se tem empresário simpático a mim fazendo isso. Eu sei que fere a legislação. Mas eu não tenho controle, não tenho como saber e tomar providência”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *