Cagepa alerta risco de banhistas serem sugados por bombas em açude de Boqueirão

CG-Bombas-de-captação-do-volume-morto-chegam-a-Boqueirão-220915CM120.jpg

A presença de banhistas em cima das bombas e na água próximo ao sistema de captação flutuante instalado no açude Epitácio Pessoa, na cidade de Boqueirão, no Cariri paraibano, tem preocupado a Companhia de Águas e Esgotos do Estado da Paraíba (Cagepa). Segundo o órgão, existe o risco de pessoas serem sugadas pelas bombas elétricas caso fiquem próximas, na água, ou que sofram descargas elétricas ao encostarem no equipamento.

“Mesmo que as bombas estejam sem funcionar, tem a eletricidade. Então já é um risco de choque elétrico. Quando as bombas estiverem em funcionamento, o perigo é a sucção de pessoas e objetos. De acordo com o fabricante do sistema, o que estiver a 1,5 metro próximo já corre um risco de sucção”, disse o gerente.

Na semana passada, a Cagepa recebeu imagens feitas por moradores da cidade em que crianças aparecem brincando em cima dos equipamentos e nadando próximo ao local de captação.

O laboratorista Zumildo da Silva conta que há alguns anos a fiscalização de banhistas no local era melhor. “Tinha uma época em que existia muita segurança, quando Dnocs estava mais na ativa e impedia mais que tomassem banho”, disse ele.

O gerente Ronaldo Menezes destacou que a Cagepa não é gestora das águas do açude de Boqueirão, mas que faz apenas a recomendação, frisando ainda que a Agência Nacional Águas (Ana) definiu que água deve ser usada apenas para consumo humano e de animais. Segundo a Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba (Aesa), nesta segunda-feira (4) o açude estava com apenas 10,4% da capacidade. O reservatório abastece Campina Grande e mais 18 cidades do Agreste paraibano.

O sistema foi instalado no fim do ano passado no açude de Boqueirão com a intenção de que a captação da água seja flutuante, devido o baixo nível de volume do manancial, que está ameaçado de entrar no volume morto a qualquer momento. A previsão era de que as bombas começassem a operar em janeiro, mas as condições do açude favoreceram a continuação de captação com o sistema convencional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *