Cagepa nega racionamento em JP, admite problemas com distribuição e aposta em informatização

cagepafaltaagua.jpg

O Superintendente da Companhia de Águas e Esgotos da Paraíba (Cagepa), Marcus Neves, comentou em entrevista ao Sistema Arapuan de Comunicação, que existe um problema na estrutura para a destribuição de água em João Pessoa, mas nega racionamento.

De acordo com Neves, a região de João Pessoa é abastecida por dois sistemas o de Marés e o de Gramame. Ele garantiu que este último foi reforçado com a inauguração da Translitorânea, além da adutora e barragem perto do limite com Pernambuco, vai levar até a estação elevatória próximo a Alhandra e ampliar em até 600 mil litros por segundo.

Neves destacou que o processo de licitação da estação de tratamento de Gramame, vai ser garantido 30 anos de água em termos de garantia de fornecimento. O superintendente lembrou que uma coisa é captar e tratar  a água e outra é distribuir comentando que as cidades vem crescendo e a Cagepa precisou ampliar redes e colocar reservatórios.

“Houve um corte de investimento com a extinção do BNH e só com esse processo houve o retorno do governo federal. Quase duas décadas com investimentos praticamente locais e hoje grande maioria da população vive nas cidades. Todo dia temos crescimentod e hidrometros e é um processo que precisamos revisitar”, afirma.

Neves explicou que essa questão já começou com o que eles chamam de reforço dos anéis de distribuição. Serão 24 bairros de João Pessoa atendidos, entre eles Cristo, Rangel, Ilha do Bispo, Torre, Jaguaribe e Centro. Esses bairros que são abastecidos por Marés vai ser feita uma interligação para reforçar a rede nos horários de pico e se tiver alguma intermitência está com o abastecimento garantido.

O Superintendente também revelou a instalação de um sistema informatizado de controle de pressão. O projeto já está em andamento com recursos do governo federal e do estado de setorização. As regiões serão divididas em setores e terá a medição da pressão que a água entra e que sai, tudo monitorizado numa sala então vai conseguir antecipar vazamentos pela verificação da queda de pressão em determinado local.

Paraíba Informa
Com Marília Domingues

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *