Dilma se reúne sexta-feira com governadores do nordeste para fechar ajuste fiscal

e1c416c3d6fc0e94dec140fc56cc26da.jpg

O ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, recebeu ontem o governador Ricardo Coutinho e os demais governadores nordestinos para discutir o pacote de ajuda fiscal aos Estados e municípios. Segundo Camilo Santana (PT), governador do Ceará, a presidente Dilma Rousseff receberá todos os governadores do país na próxima sexta-feira, dia 5, para selar a negociação, que envolve alongamento em 20 anos do prazo para pagamento da dívida com a União e ampliação do limite de crédito dos Estados.

De acordo com o secretário de Tributação do Rio Grande do Norte, André Horta, foi discutido na reunião que os Estados que não quiserem alongar o prazo da dívida terão prioridade na concessão de mais crédito.

Nas negociações em curso, a União colocou a possibilidade de aceitar ativos dos Estados, como empresas públicas e participações acionárias, para vendê-los e usá-los como redutor nas prestações mensais.

Em contrapartida, o governo cobra dos Estados o apoio em questões centrais em seu plano de recuperação fiscal, como recriação da CPMF e reforma previdenciária, projetos que sofrem grande rejeição da própria base política de Dilma Rousseff.

Governadores no STF

O governador Ricardo Coutinho participou, ontem, de uma audiência no Supremo Tribunal Federal (STF), ao lado de outros governadores do Nordeste, com o ministro Luiz Edson Fachin, que é relator da ação que reivindica mudança na atual regulamentação da distribuição do salário-educação. Eles defendem que o repasse do salário-educação deve ter como critério único de distribuição de cotas estaduais o número de alunos matriculados.

O salário-educação é uma contribuição social voltada para o financiamento de programas da educação básica. O valor é calculado com base na alíquota de 2,5% sobre o valor total das remunerações pagas ou creditadas aos segurados empregados das empresas contribuintes.

“Essa contribuição vem sendo tratada no Brasil de forma regressiva. Os estados que proporcionalmente têm mais alunos na rede pública recebem menos, pois as empresas, quando têm filiais espalhadas pelo país, recolhem isso em função da sua matriz e não onde elas estão localizadas. Isso precisa ser revisto, não podemos ver os estados com os menores IDHs, com as maiores dificuldades tendo que financiar estados com maior condição econômica. Nós acreditamos que isso cumpre o preceito constitucional”, pontuou o governador Ricardo Coutinho.

Ricardo adiantou que o ministro Luiz Edson Fachin disse que em poucos dias estará encaminhando o seu parecer à presidência do Supremo Tribunal Federal para que a ação seja incluída na pauta de julgamentos até o final do mês.

Estiveram presentes na audiência, além de Ricardo Coutinho, os governadores de Pernambuco, Paulo Câmara; da Bahia, Rui Costa; do Sergipe, Jackson Barreto; do Piauí, Wellington Dias; e o vice-governador do Maranhão, Carlos Brandão.

Paraíba Informa / André Gomes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *