Eleição da Famup poderá ser anulada

tota-guedes.jpg

Durante toda a última quinta-feira (17), grande parte dos prefeitos eleitos e reeleitos que participaram de evento no Tribunal de Contas da Paraíba, defendeu a anulação do processo eleitoral promovido pela Famup, que elegeu, em chapa única, o ex-prefeito Tota Guedes (foto), candidato derrotado nas últimas eleições no município de Pedra Lavrada. Eles estão pedindo a Justiça para anular o processo eleitoral.

Segundo Douglas Lucena, atual e reeleito prefeito de Bananeiras, os dirigentes da Federação das Associações de Municípios da Paraíba (Famup) descumpriram artigos importantes do Estatuto da entidade, cerceando o direito de registro de outras chapas, para evitar uma disputa democrática, com o fechamento da sede da entidade, fato que está registrado em fotos e por várias testemunhas que foram ao local para na qual pudessem participar todos os prefeitos.

De acordo com o prefeito eleito de Pedra Lavrada, Jarbas Maia, a eleição para a presidência da Famup está sendo contestada na Justiça por prefeitos insatisfeitos com o processo eleitoral da entidade. Segundo ele, a idéia é reunir a maioria dos prefeitos de municípios associados e promover mudanças no estatuto da entidade, objetivando conceder oportunidade para que todos participem.

Jarbas destacou que, se a eleição realizada não for anulada, dezenas de municípios se desligarão da Famup, pois os prefeitos eleitos não acreditam na gestão atual e querem participar de um plano de reestruturação da entidade que, pra eles tem servido de cabide de emprego e de beneficiar ex-prefeitos que politizam Famup.

Os prefeitos também querem saber em que foi investido um montante de R$ 6.199.935,00 (seis milhões, cento e noventa e nove mil, novecentos e trinta e cinco reais), arrecadados das prefeituras de 2012 a 2016, conforme dados do Sistema Sagres do Tribunal de Contas do Estado da Paraíba, sem nenhuma contra-prestação.

“Nós queremos saber pra que foi usada essa fortuna, já que os municípios estão cada vez mais pobres e endividados, tendo que pagar a escritórios de projetos aqui e em Brasília, tendo uma entidade que não faz absolutamente nada pelos municípios. A Famup não tem uma proposta apresentada ao longo desse tempo, servindo apenas de trampolim político-partidário”.

Se a eleição for anulada na Justiça, como espera grande parte dos prefeitos, já se colocaram como opção à presidência da Famup, os prefeitos, André Gadelha (Sousa), Geraldo Moura (Soledade), Douglas Lucena (Bananeiras), Hugo Alves (Caiçara), Daniel Galdino (Piancó), Olivanio Remígio (Picuí), Jarbas Maia (Pedra Lavrada) e Serginho Lima (Baia da Traição), que poderão formar uma “chapa de consenso evitando, segundo Jarbas, o abuso de autoridade que se fez com uma chapa única, sem oportunizar os demais, além de se coibir a perpetuação no poder.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *