Elevador despenca e mata operários em fábrica de cimento na Paraíba

Dois operários de uma fábrica de cimento morreram na tarde desta terça-feira (25) no município do Conde, Região Metropolitana de João Pessoa. As duas vítimas do acidente estavam trabalhando em um elevador de construção a uma altura de 50 metros quando o equipamento se despreendeu e despencou. O acidente aconteceu por volta das 17h (horário local) mas até o momento nenhum representante da fábrica se manifestou sobre o caso.

Segundo informações preliminares, levantadas pela equipe de policiais militares que atendeu a ocorrência, há a possibilidade de que um dos cintos de segurança dos operários tenha se rompido ou ainda o cabo de sustentação do elevador, que teria provocado a queda. Até as19h00 (horário local) homens do Corpo de Bombeiros ainda estavam na fábrica de cimento para tentar resgatar um dos corpos que ficou preso nas ferragens do elevador.

“As primeiras informações coletadas no local, foi que uma das cintas do elevador que eles estavam trabalhando rompeu e eles caíram de uma altura considerável e morreraram. Não sabemos se eles eram funcionários de uma empresa privada ou da fábrica”, disse o cabo Jailson da 1ª Cia. da Polícia Militar de Alhandra.

Equipes do Serviço Móvel de Atendimento à Urgências (Samu) também estiveram no local, mas segundo a PM, os dois operários tiveram morte imediata. A equipe da perícia do Instituto de Medicina Legal também foi deslocada para levantar informações sobre o acidente. As funções exercidas por esses dois operários na fábrica também são desconhecidas até o momento.

Este é o segundo acidente fatal em menos de uma semana, envolvendo operários em elevadores na Região Metropolitana de João Pessoa. Na última quarta-feira (19) um funcionário de uma empresa privada morreu quando instalava o equipamento em um prédio residencial no bairro do Cabo Branco, na orla da capital. Segundo informações do Corpo de Bombeiros, a vítima realizava a instalação do elevador, na parte superior do equipamento, no momento em que ele se desprendeu e caiu, de uma altura aproximada do 15º andar.

Outros acidentes foram registrados

Na segunda-feira (04) uma menina de 11 anos ficou ferida após ficar com a cabeça presa na porta de um elevador de um prédio comercial no Centro da cidade de Guarabira, no Brejo paraibano. Segundo informações de testemunhas, a criança estava caminhando sozinha pelo local quando entrou no elevador e teria colocado a cabeça para fora no momento em que a porta fechava.

Na quarta-feira 1º de outubro uma idosa de 70 anos morreu, quando o elevador onde ela estava despencou do 2º andar em um prédio de três andares no bairro do Bessa, na Zona Leste de João Pessoa. A idosa tinha ido fazer uma visita a um filho, quando por volta das 12h (horário local) ela pegou o elevador sozinha para ir embora. O equipamento parecia normal antes do acidente.

Inquérito Civil Público

A promotoria do consumidor do Ministério Público da Paraíba (MPPB) determinou por meio de Inquérito Civil Público que as empresas fabricantes de elevadores, assim como aquelas responsáveis por sua manutenção, têm até esta sexta-feira (26) para apresentar laudos atestando que todos os itens de segurança exigidos para o funcionamento de elevadores, escadas e esteiras rolantes são cumpridos, e estão regularizados, dentro do que determina a lei.

Conforme o promotor Glauberto Bezerra, a fiscalização dos elevadores era algo não antes tão atentado pelo órgão, mas, em face dos casos, medidas enérgicas precisaram ser tomadas. “Foi realizada uma reunião com donos de empresas de elevadores além da Defesa Civil, do Corpo de Bombeiros e do Crea acionando os órgãos competentes para dar esclarecimentos bem como iniciar um plano de ação garantindo a aplicação do programa de prevenção de acidentes”, explicou.

G1.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *