“Estão querendo implantar o terrorismo; teremos água até janeiro de 2017”, garante presidente da Aesa

CG-Reunião-gestão-das-Aguas-Estadula-da-Prata-João-Fernandes-Presidente-da-AESA-200515CM09-1.jpg
O presidente da Agência Executiva de Gestão das Águas da Paraíba (Aesa), João Fernandes, concedeu entrevista na manhã desta segunda-feira, 30, e na ocasião usou do espaço para tentar tranquilizar a população de Campina Grande e mais 18 municípios que dependem da água do açude Epitácio Pessoa (Boqueirão) quanto a qualidade e volume do manancial.

De acordo com Fernandes, foi realizada uma expedição ao açude, que reuniu uma comitiva com 22 profissionais, entre eles: Dois professores da UEPB e UFCG, técnicos da Fundação Nacional de Saúde, quatro técnicos da AESA, quatro da Cagepa incluindo diretores que constataram após a análise a qualidade própria para o consumo humano.

“A água de Boqueirão está boa, a Cagepa não pode distribuir água a não ser tratada, a população pode ficar tranquila”, disse.

Para o presidente, neste momento é importante ter cuidado com “alardes” nas divulgações “podendo resultar em sofrimento antecipado para quem depende do abastecimento” que deve durar em previsões matemáticas até janeiro de 2017.

“Estão querendo implantar o terrorismo em Campina Grande, fazendo alarde, o que não resolve nada. O povo já está sofrendo porque só tem 84 horas de água na cidade, adianta ficar plantando caos? Com o volume de água em Boqueirão e uso racional podemos ir mais longe desta previsão inicial que estou dando, que é até janeiro de 2017″, afirmou.

Paraíba Informa / Política Mais Cedo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *