Motorista e maquinistas são indiciados por tragédia em santa rita

9a1b1ac4138b947d54ae10266ecf8b5f.jpg

O delegado Antônio Álvares de Farias, responsável pela investigação do acidente entre um trem e um ônibus em Várzea Nova, Santa Rita, indiciou ontem o motorista do ônibus e os dois maquinistas, pela morte das quatro pessoas e disse que ainda poderá indiciar outras pessoas, ligadas à Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU). Os indiciados irão responder por homicídio culposo.

O motorista João Batista da Silva e os dois maquinistas, que não tiveram os nomes divulgados, foram ouvidos ontem à tarde e apresentaram suas versões à polícia. “Na minha avaliação os dois lados tiveram culpa. O motorista alegou que quando subiu na travessia da linha não viu nenhum trem se aproximando. Quando percebeu o trem e olhou para a frente disse que viu a passagem obstruída por outros carros e quando pensou em reagir, não teve mais tempo. Os maquinistas disseram que seque sabiam a que velocidade estavam. Os dois lados colaboraram para o acidente. Um com a falta de atenção à linha e os outros com o excesso de velocidade”, disse o delegado.

Porém a culpa que recai sobre os maquinistas poderá alcançar outros servidores da CBTU. “O trem não tinha nenhum equipamento que indicasse a velocidade. O tacógrafo está quebrado não se sabe a quanto tempo e não há nenhum registro de dados sobre a operação do trem. Eu já intimei o diretor de manutenção da CBTU e quero saber qual é o papel dele na companhia, se os trens estão desse jeito.

Dependendo do que for apurado, ele e outras pessoas poderão ser indiciadas também”, acrescentou Farias. Com relação ao ônibus, o delegado disse que o veículo estava em perfeito estado de funcionamento.

Paraíba Informa / Ainoã Geminiano /Aline Martins

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *