Paraíba impede laticínio da família de Ariano Suassuna de renovar registro

familiaariano.jpg

“A França, que tem um rebanho caprino estimado em apenas 960 mil cabeças, ganha uma fortuna com o leite e o queijo de suas cabras. O [rebanho] brasileiro é de 14 milhões, dos quais 11 milhões estão no Nordeste.”

O dramaturgo Ariano Suassuna (1927-2014), autor de “O Auto da Compadecida”, calculava o potencial de mercado dos caprinos lamentando a falta de incentivo e o desprezo à “pecuária em geral e à cabra em particular”.

familiaariano1

“Não é possível que os economistas não se apercebam da importância de um rebanho desse tamanho e que seja um escritor que seja obrigado a falar disso”, prosseguia o poeta.

Se estivesse vivo, hoje, Suassuna teria mais um motivo para se queixar.

É que o laticínio Grupiara, propriedade da família de seu primo na paraibana Taperoá  a mesma Taperoá onde o dramaturgo foi alfabetizado , tem enfrentado dificuldades para renovar o registro de seus produtos na secretaria agropecuária do Estado.

Os queijos são genuinamente brasileiros, como diz seu sobrinho Joaquim Vilar, que hoje cuida dos negócios da fazenda.

O procedimento de renovação do registro já havia sido aprovado em diversas ocasiões anteriores.

Mas da última vez, no ano passado, a secretaria determinou a retirada dos nomes “Queijo Arupiara”, “Cariri” e “Borborema”, usados como denominação do produto em seu rótulo.

“Evidenciamos que quando estes foram registrados anteriormente foram interpretados como marcas”, diz o órgão no documento aos fazendeiros. Procurada, a secretaria não explicou o motivo.

familiaariano2

CABRA NATIVA

“Esta gestão atual achou que o nome queijo Cariri não existe. Disseram-nos que para resolver seria preciso escolher uma denominação já existente. Em vez de Cariri ficaria tipo camembert ou tipo boursin”, diz Vilar.

A fazenda se recusa a afrancesar sua embalagem.

De fato, o produto tem firme simbologia cultural, assim como o Movimento Armorial, criado nos anos 1970 por Suassuna para resgatar e ressaltar a cultura da região.

É produzido apenas do leite de cabras de raças como moxotó, canindé e marota, todas nativas. Os temperos são das ervas locais alfazema de periquito, aroeira, cumaru e marmeleiro.

No rótulo, nomenclaturas e elementos gráficos foram elaborados por Suassuna e seu primo Manelito Dantas na década de 1970.

Sem o registro, o laticínio fica impossibilitado de exportar ou fornecer para grandes redes varejistas.

Lojas de nicho especializadas em queijos aceitam trabalhar com base nas certificações sanitárias realizadas durante os eventos de premiação do setor, mas o volume que compram é pequeno.

De acordo com Inês Vilar, sobrinha de Suassuna, a produção diária gira em torno de 190 peças de queijo, com 400 litros de leite. Mas há capacidade para produzir 1.000 litros, afirma.

“Esse queijo é muito premiado e tem qualidade surpreendente tanto pelo leite quanto pela embalagem, além da questão filosófica de apostar no produto”, diz Bruno Cabral, dono da mercearia paulistana Mestre Queijeiro, que pesquisa queijos e desenvolveu um prêmio do setor em parceria com o Senac.

“Se não começarmos a debater, o Brasil nunca fomentará produções que serão tradicionais daqui a um século.”

familiaariano3

Paraíba Informa
Joana Cunha – Folha de São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *