Parte de municípios do cariri cancela festa junina por causa da seca.

Com orçamentos que juntos ultrapassam os R$ 13,8 milhões, as principais festas juninas realizadas do Litoral ao Sertão da Paraíba deverão movimentar mais de R$ 35,5 milhões na economia do Estado. Apesar das cifras elevadas, boa parte dos municípios do semi-árido paraibano decidiu cortar os gastos e cancelar as festas juninas por causa da seca que assola a região.

A realidade é diferente nos maiores municípios do Estado, que contam com o apoio da iniciativa privada. Os festejos de João Pessoa, Campina Grande, Monteiro, Patos e Sousa vão gerar aproximadamente 20 mil empregos diretos e indiretos. Somente em Campina, o ‘Maior São João do Mundo’, que acontece de 07 de junho a 07 de julho, espera arrecadar R$ 25 milhões em renda para a economia local, aumentando em até 15% as vendas no comércio, segundo uma estimativa da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL).

Orçada em R$ 8 milhões (maior parte sendo de patrocinadores), a prefeitura de Campina informou que o evento deve gerar até 10 mil empregos diretos e indiretos. “Essa festa aquece o comércio local e esperamos um aumento de até 15% nas vendas em comparativo ao mês de junho do ano passado. A venda de roupas, calçados e eletrodomésticos lideram o ranking de procura dos consumidores não é difícil encontrar estabelecimentos onde as vendas crescem até 80%”, declarou o presidente da CDL-CG, Tito Motta.

Em João Pessoa, onde serão investidos R$ 2,7 milhões nas comemorações juninas (de 21 a 29 de junho), a CDL espera um crescimento de 10% no comércio, que também será impulsionado pelo Dia dos Namorados. Para motivas os consumidores, uma das estratégias é recorrer à ornamentação dos estabelecimentos em alusão às duas datas. “Estamos trabalhando junto aos comerciantes para que façam a ornamentação das lojas para motivar ainda mais os consumidores. Festas como o São João são boas para todos os segmentos da economia, mas especialmente para as empresas que trabalham com vestuário e alimentação, além da rede hoteleira”, avaliou o presidente da CDL-JP, Eronaldo Maia.

No Cariri, a cidade de Monteiro polariza outros 10 municípios e espera reunir até 100 mil pessoas de 23 a 27 de junho. Com orçamento de R$ 150 mil, a programação conta com dez artistas. A Secretaria de Turismo da cidade estima que 800 empregos diretos e indiretos sejam gerados durante o evento, que deverá movimentar mais de R$ 500 mil em negócios.

No Sertão paraibano, as atenções são voltadas para as festa do São João de Patos (considerada a segunda maior do Estado) e de Sousa. Na ‘Morada do Sol’ o evento está orçado em R$ 2 milhões, via captação de recursos da Lei Rouanet e auxílio da iniciativa privada. O evento será aberto no ‘Terreiro do Forró’ no dia 19 de junho e se encerra no dia 23 do mesmo mês. A previsão é de que o evento movimente aproximadamente R$ 8 milhões e gere uma média de 3,5 mil empregos diretos e indiretos. Serão 25 atrações, entre elas Chiclete com Banana e Bruno e Marrone que apresentarão mais de 40 horas de shows. A expectativa é de que mais de 500 mil forrozeiros visitem o local.

Em Sousa, a festa orçada em R$ 1 milhão reúne 16 atrações musicais, entre elas a dupla Cesar Menotti e Fabiano. Serão 40 horas de animação que terão início a partir do dia 20 de junho. Até o encerramento da festa, no dia 23 de junho, a organização espera receber 150 mil pessoas. “Esperamos que o evento movimente até R$ 2 milhões. Em média a festa emprega diretamente mil pessoas, até as datas dos shows, mas indiretamente chega a três mil empregos”, informou Harlinho Marques, secretário de Turismo do município.

No Agreste, o destaque é a 30º edição do Maior São João do Mundo, em Campina Grande. O desafio dos foliões é encarar as 1,2 mil horas de forró através das 110 apresentações musicais agendadas para o Arraial Hilton Motta, o palco principal do Parque do Povo. Entre as atrações estão o cantor Gilberto Gil, a paraibana Elba Ramalho, Fagner, Zé Ramalho e as bandas de forró estilizado Aviões do Forró e Garota Safada. As famosas ‘ilhas de forró’ serão animadas nos 30 dias de festas por mais de 120 trios.

Santa Luzia sem verbas

O município de Santa Luzia, onde a festa junina completa 70 anos de tradição, os festejos não estão confirmados por falta de verbas. De acordo com o planejamento inicial, a festa deveria ter cinco dias de programação com 40 horas de shows em praça pública, comandado por 14 atrações.

“Na realidade o São João está sendo viabilizado ainda, o município não tem como fazer a festa. Será algo muito pequeno e a maior atração terá um cachê máximo de R$ 20 mil. Estamos enfrentando muitas dificuldades e a cidade não tem condições de fazer a festa sozinha”, disse o prefeito José Ademir Pereira de Morais.

Outras cidades que mantém a tradição dos festejos juninos, como Solânea, Taperoá, Cajazeiras e Esperança, não fizeram a divulgação das atrações ou confirmaram a realização das festas.

O prefeito de Ouro Velho, Inácio Júnior, também suspendeu a festa de São João do município. O cancelamento se deu por conta da seca que atinge todo o município e região. O município decretou estado de emergência em razão da escassez de chuva. Agricultores já chegaram a vender mais de 60% do rebanho de bovinos, caprinos e ovinos. A festa do São João de Ouro Velho aconteceria nos dias 15,16 e 17 de junho em praça pública e tinha como uma das atrações o cantor Alcymar Monteiro.

Com Portal Correio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *