Pedro sai em defesa dos produtores de leite do Cariri

pedrodunha.jpg

O deputado federal paraibano Pedro Cunha Lima (PSDB) usou a tribuna para defender os produtores de leite. Criticou a falta de incentivo e a importação do produto de países que podem oferecer um preço mais vantajoso em decorrência do estimulo do governo à produção local. “Como se não bastasse isso, no Governo, o Programa de Aquisição de Alimentos faz um limite de 11 litros por dia para cada produtor; 11 litros por dia dão basicamente três cabras”, destacou, afirmando que vai lutar para a implantação de uma usina de leite em pó de cabra no Cariri paraibano.

Segundo o parlamentar, há um potencial econômico com a produção do leite e, em vez de estimular, sufocam o produtor local e trazem o produto de fora, da Europa e do Uruguai. Pedro afirmou que há uma perseguição ao produtor de leite no Brasil, enquanto que em outros países existe incentivo e subsídio.

“Vou dizer outro absurdo, que é difícil de acreditar: o queijo artesanal, produzido em Taperoá e em outras cidades, feito com esse leite, não tem sequer a regulamentação do Governo brasileiro! O Governo não autoriza essa produção para importar queijo de fora. São queijos, inclusive, premiados mundialmente. E existe uma burocracia sufocante, uma falta de boa vontade, uma falta de bom senso, um preconceito com nós mesmos. O queijo que é produzido aqui, um queijo artesanal, é boicotado pelo nosso Governo”, lamentou.

Pedro destacou que no último fim de semana viajou pelo Cariri paraibano. Esteve em São Domingos do Cariri, com a prefeita Inara; em Camalaú, com o prefeito Sandro; em Zabelê, com o prefeito Dalyson; e em Amparo, com o prefeito Inácio; e, por onde andou, ouvi um desabafo de produtores que estão sufocados com a política que o Brasil aplica a esse segmento.

“Eu quero deixar aqui o meu protesto a essa maneira de atuar nesse campo específico. Os produtores de leite do nosso País precisam de estímulo e não de ser sufocados, como acontece hoje”, afirmou.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *