Programa estadual cancela entrega de pão para 120 mil paraibanos

programa-pão-e-leite.jpg

Os paraibanos cadastrados no programa estadual ‘Pão e Leite’ só receberão o pão até esta sexta-feira (31), quando o fornecimento será encerrado. O programa atende ao todo 120 mil paraibanos. Em algumas regiões da Paraíba, como em João Pessoa, o leite já não estava sendo entregue há algum tempo, porém de acordo com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Humano (Sedh), o produto continua chegando à mesa da população de 72 municípios. Segundo a pasta, o programa foi reformulado e os beneficiários receberão um cartão alimentação, cujo valor ainda não foi definido, em substituição à entrega do pão.

Isso significa que os municípios que já recebem o leite permanecerão tendo acesso ao alimento, mas nas demais cidades será implantado o cartão alimentação para que os beneficiários do programa que recebiam apenas o pão passem a ter direito ao complemento alimentar, segundo a secretária da Sedh, Aparecida Ramos.

Apesar disso, Cida Ramos afirmou que, como muitos dos beneficiários do programa não sabem ler ou possuem pouca instrução, as equipes da coordenação do ‘Pão e Leite’ farão um trabalho junto às famílias durante o mês de agosto. Como o pão deixa de ser fornecido nesta sexta-feira e o mês seguinte será destinado para treinamento e implementação do cartão, que terá senha pessoal e intransferível, os paraibanos só contarão com o benefício do Bolsa Família.

“A partir de 1º de setembro, os créditos já estarão disponíveis no cartão para que as famílias possam comprar alimentos”, pontuou.

A secretária da Sedh, Aparecida Ramos, esclareceu que os paraibanos cadastrados no programa não deixarão de ter o complemento alimentar, já que o quase extinto ‘Pão e Leite’ foi reformulado, de modo que a entrega do pão será substituída por um cartão alimentação por família, que ainda não tem valor definido.

“Com esse cartão, a pessoa só pode comprar alimento e em supermercados e padarias, por exemplo, de redes credenciadas. O valor ainda está sendo estudado, mas esse complemento para alimentação passa a ser inserido nas Políticas de Segurança Alimentar e Assistência Social”, afirmou. Cida Ramos explicou que o fornecimento de pão não era reconhecido dentro dessas políticas e que esse foi um dos principais motivos para a reformulação do programa.

“O Estado tinha problema com a distribuição que gerava filas para o recebimento, o que vai de encontro com o que estabelece a Política de Assistência Social. O leite continuará sendo entregue em 72 cidades, pois a entrega do leite ajuda a manter a atividade do produtor, além de gerar renda para os municípios, o que também será possível com o cartão alimentação, uma vez que o pão era adquirido e trazido para o Estado. Com o cartão, os alimentos serão comprados aqui mesmo”, disse.

O público-alvo do programa são gestantes, mães que estão amamentando, idosos e crianças de até sete anos de idade. Os critérios para ter acesso ao benefício são estabelecidos pelo governo federal, por meio do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), como estar inserido no Cadastro Único, ter renda per capita de até meio salário mínimo, estar gestante e fazendo o pré-natal regularmente, nutrizes (mães que ainda amamentam), crianças de 2 a 7 anos com o cartão de vacinação em dia, idosos e pessoas com deficiência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *