Quase mil leitos desativados na rede pública de saúde na paraíba

2b9abed7b714c5605bcd7d18d0911ed8.jpg

Quase mil leitos de internação foram desativados na rede pública de saúde da Paraíba, entre os anos de 2010 e 2015, segundo o Conselho Federal de Medicina (CFM). Em João Pessoa, 321 foram fechados. Na comparação com os outros estados, a Paraíba teve a sétima maior redução do País. Já João Pessoa ocupa a 10ª posição entre as capitais que mais reduziram. O levantamento do CFM foi feito com base no Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (Cnes), do Ministério da Saúde.

Os dados do CFM também mostram a redução de leitos por especialidades. As áreas de pediatria, clínica médica e obstetrícia foram as mais comprometidas na Paraíba. Quase metade dos leitos fechados no Estado (410) eram destinados à internação de crianças. Também houve redução nos leitos cirúrgicos, um dos setores considerados mais sensíveis. Em João Pessoa, houve crescimento dos leitos cirúrgicos, mas a pediatria foi a área mais afetada pela perda, a exemplo do que aconteceu no Estado.

Para o presidente do CFM, Carlos Vital, o levantamento mostra, em números, a realidade vivida diariamente por médicos e pacientes nos hospitais brasileiros, o que acaba provocando atrasos no diagnóstico e tratamento, aumentando a mortalidade.

Em nível nacional, as especialidades mais afetadas foram psiquiatria, pediatria cirúrgica, obstetrícia e cirurgia geral. Já os leitos destinados à ortopedia e traumatologia foram os únicos que sofreram acréscimo.

“Só resta ao usuário do SUS rezar para não adoecer e não precisar de internação hospitalar. Sufocados com o congelamento da tabela SUS, hospitais filantrópicos estão fechando as portas. Governos e municípios também não estão conseguindo manter suas estruturas hospitalares, a cada dia mais sucateadas”, lamenta o secretário do CFM, Hermann Tiesenhausen.

PMJP promete

4Em nota, a Secretaria de Saúde de João Pessoa disse que estão sendo criados 14 novos leitos na UPA, que será inaugurada no bairro de Cruz das Armas, ainda este ano. A secretaria informou ainda que estuda a possibilidade de criação de novos leitos em hospitais conveniados, mas ainda sem previsão.

Estado explica

4Também em nota, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) disse que, entre 2010 e este ano, o governo criou 526 leitos na rede e que isso está registrado no Cnes. A nota diz que a redução apontada pelo CFM aconteceu em instituições filantrópicas, municipais e privadas e não na  Rede Estadual de Saúde da Paraíba.

Doentes correm riscos

“A insuficiência de leitos para internação ou realização de cirurgias é um dos fatores para o aumento do tempo de permanência nas emergências. São doentes que acabam ‘internados’ nas emergências à espera do devido encaminhamento para um leito adequado, correndo riscos de contrair infecções”. arlos Vital, presidente do CFM.

Paraíba Informa / Ainoã Geminiano

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *