Seca revela assoreamento no cartão postal de Campina Grande

lagoacg.jpg

Uma operação de retirada de resíduos está sendo feita no Açude Velho, em Campina Grande. Um dos principais cartões postais da cidade está com 80 centímetros a menos de volume, por causa da falta de chuvas. Com a diminuição do nível do açude, o afloramento de resíduos cresce na bacia do açude. Uma área em que a areia já é visível é em parte do açude que fica próximo ao Museu dos Três Pandeiros. Para o próximo ano, a prefeitura pretende entregar um projeto ao Governo Federal para dragagem do local.

Para o secretário de Serviços Urbanos de Campina Grande, Geraldo Nobre, a obra é feita por etapas. “Em 2017 pretendemos fazer esse trabalho, que é um trabalho de amplitude maior. Funcionaria colocando duas balsas submersas no Açude. Em uma ficaria uma retroescavadeira e em outra os caminhões, onde seriam colocados os materiais. É um trabalho lento, que seriam feitos entre quatro e cinco meses. É a única forma de fazer um trabalho eficiente e que atenda a expectativa que se pretende”, ressaltou.

A estimativa é que a dragagem custe ao menos, R$2 milhões. “Para ter uma ideia, a locação de balsas mensal custa cerca de R$ 180 mil. Além disso, é preciso ter um engenheiro naval para acompanhar a obra. Como são equipamentos que não existem na região Nordeste, e estão monopolizados no Rio de Janeiro, é também mais difícil de fazer essa dragagem. Hoje é difícil para a prefeitura fazer em virtude dos recursos, mas a prefeitura já se mostrou interessada em captar recursos para essa obra para o próximo ano”, disse Geraldo.

Novo esgotamento sanitário

Somente a dragagem não seria ideal. Uma das necessidades, segundo a Secretaria de Serviços Urbanos e Meio Ambiente (Sesuma), é um novo sistema de esgotamento sanitário para a área central da cidade. “Atualmente todas as áreas da cidade, principalmente a central, convergem com o Açude Velho. Como essas áreas não têm esgotamento sanitário, todas aquelas lojas comerciais e casas da zona central jogam dejetos no sistema de drenagem, que a água de chuva leva para o Açude Velho. São três entradas que convergem para o açude, e um sangradouro que vai para o canal do Prado. São necessários dois processos. Primeiro a retirada dos dejetos que convergem para eles, ligando a rede de esgoto da cidade, e depois a dragagem”, informou Geraldo Nobre.

Em Campina Grande, existem 143 mil ligações de água e 100 mil ligações para coleta de esgoto, segundo a Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa). O índice de esgotamento sanitário chega a 70%, mas é preciso fiscalizar como as demais unidades fazem o despejo de dejetos no meio ambiente.

Para o gerente regional da Cagepa, Ronaldo Meneses, todas as unidades que despejam seus esgotos não tratados em sistemas pluviais devem ser fiscalizadas pela prefeitura. “No Brasil existe o sistema separador, onde água de chuva tem um sistema diferente do sistema de tratamento de esgotos. Não pode haver mistura entre águas de chuva e canal de esgoto. A prefeitura deve catalogar e identificar quem joga esgoto nos canais de água de chuva. A Cagepa é responsável pela coleta de esgoto. Provavelmente é uma ligação muito antiga, quando não havia rede de esgoto no local, e o próprio esgoto já estava direcionado. A Cagepa pode analisar cada caso individualmente. É só o usuário pedir que é possível direcionar o esgoto à rede de tratamento da Cagepa. Se houver uma rede próxima, e em um nível abaixo do nível da residência, é cobrada uma taxa de ligação, que será paga pelo usuário”, respondeu Meneses.

Paraíba informa / Renata Fabrício / Foto: Chico Martins

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *