Terra 2.0: Nasa anuncia descoberta histórica de planeta habitável quase idêntico ao nosso

730-452b-artistconcept-beautyshot-20150723143647.jpg

O Kepler-452b é cerca de 60% maior que a Terra e está a 1 400 anos-luz do nosso sistema solar

A sonda caçadora de exoplanetas Kepler encontrou aquele que talvez seja o corpo celeste mais parecido com a Terra. A Nasa anunciou nesta quinta-feira (23) a descoberta de Kepler-452b, um exoplaneta encontrado dentro de uma zona habitável de seu sistema solar, ou seja, uma região onde é possível que exista água no estado líquido. A semelhança com nosso planeta é tão grande que os pesquisadores chamaram o Kepler-452b de Terra 2.0.

O Kepler-452b é cerca de 60% maior do que a Terra e precisa de 385 dias para completar uma órbita ao redor de sua estrela, a Kepler 452. E essa estrela hospedeira é muito parecida com nosso Sol: tem quase o mesmo tamanho, temperatura e emite apenas 20% mais luz.

Localizado na constelação Cygnus, o sistema solar da Terra 2.0 está a 1 400 anos-luz distante do nosso. Os pesquisadores da Nasa não sabem qual a massa exata do exoplaneta, nem conseguem definir do que ele é feito. Mas pesquisas anteriores mostraram que planetas do tamanho do Kepler-452b são rochosos, na maioria das vezes.

“Esse é apenas o primeiro passo para respondermos a questão ‘Estamos sozinhos no Universo?'”, afirmou o astrônomo da Nasa John Jenkins, durante a apresentação do exoplaneta. “Nós não iremos viajar para esses planetas, mas os filhos dos filhos dos nossos filhos talvez possam”.

A descoberta do Kepler-452b é importante, mas não é inédita. No ano passado, astrônomos da agência espacial americana encontraram o primeiro exoplaneta com um tamanho similar ao da Terra, o Kepler-186f, que também está na região habitável de uma estrela.

Mas a principal diferença entre o Kepler-452b e o Kepler-186f é a estrela que cada um deles orbita: enquanto a do 186f é uma estrela anã, a do 452b é muito mais parecida com nosso Sol.

Lançada em março de 2009, a sonda Kepler consegue encontrar exoplanetas ao medir como a luminosidade de uma estrela varia quando um planeta passa na frente dela. A variação da luz é minúscula, mas permite aos astrônomos estimar o raio do exoplaneta e sua distância em relação à estrela hospedeira.

Até agora, a sonda encontrou 4 696 candidatos a exoplanetas, sendo que 1 030 já tiveram sua existência confirmada. No total, os astrônomos já catalogaram 1 927 exoplanetas no universo.

Um planeta é considerado “habitavel” quando não está tão perto de sua estrela para ser muito quente, nem longe demais, para que a água não esteja congelada.

Os cientistas esperam que o Telescópio Espacial James Webb, com lançamento marcado para 2018, consiga ser potente o suficiente para detectar e confirmar a existência desses outros planetas ainda escondidos.

Fonte: Nasa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *