Herança da greve: Remédio é esperar até 70 dias por perícia no inss

f7335a7336267d768534fa6e7f0c0ee8.jpg

Para quem está doente e necessita de auxílio do INSS, o remédio é esperar. O agendamento que já demorava mais de 40 dias em João Pessoa, agora é de 69. A sobrecarga de processos é consequência da greve. A quantidade de peritos também não é suficiente. Em Itabaiana, Solânea e Bananeiras, não há médicos. São os de João Pessoa que viajam duas vezes por semana. Com isso, há 291 pessoas que só serão atendidas entre julho e agosto.

O gari José Francisco Ferreira teve problemas no ligamento do joelho há cinco anos, fez cirurgia, mais ficou impossibilitado de trabalhar. “Há seis meses, espero pela perícia para conseguir a aposentadoria. Não estou recebendo um centavo e ainda tenho uma filha para criar. Toda vez que eu vinha dizia m que não tinha médico. Já dei várias viagens sem resolver, só remarcando, gastando sem poder”, desabafou.

Seu Elias Vieira tem labirintite, o que o incapacita para a profissão de motorista. “Só em subir o elevador já fiquei tonto. Andar de ônibus é pior. Não posso andar sozinho. Já foi remarcado quatro vezes, já vai fazer seis meses que espero pela perícia. Mandavam eu vir de manhã, aí mandavam vir à tarde, depois mandavam vir no outro dia. E até agora nada”.

Eglencarlos Souza teve câncer na coluna. “Era para fazer a perícia em outubro, mas tava de greve. Marquei no começo de fevereiro. Demorou mais de um mês. O laudo e atestado médico estão na agência desde o ano passado, nem sei se já venceu”, contou o ex carregador.

Poucos médicos. A gerência do INSS em João Pessoa atende a 21 municípios. O chefe de atendimento, José Wilker, explicou que os 58 peritos não são suficientes. “É muita demanda para pouca gente. Eles trabalham 6h/dia. Em algumas agências, ainda fazem trabalhos administrativos, como protocolos, supervisão, serviços de reabilitação. A greve reduziu os atendimentos, praticamente a zero. Quando o administrativo voltou, os médicos entraram (em setembro) e só terminaram o mês passado”, informou.

Paraíba Informa / Bruna Vieira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *